O “ano zero”

4 de novembro de 2014

É sempre a mesma história, talvez o pior erro conceitual da humanidade. Comemoramos a “virada do século em 2000”, o ano mil não foi diferente, (vide Georges Duby), enfim, aquela dor de cabeça para a maior parte dos professores de história que tentam explicar que 1900 faz parte do século XIX, porém 1901 é o início do século XX. Os alunos olham incrédulos, como se você estivesse de gozação com eles, visto que na televisão falavam da virada do milênio no ano 2000, pensam na década de 90 à partir de 1990, enfim, é o erro mais praticado, tão praticado que podemos recorrer àquela frase tão em voga durante as eleições “conte uma mentira 100 vezes que ela vira uma verdade” (eu sei que a frase de Goebbels não é exatamente assim, mas de qualquer modo não foi ele que inventou o conceito). Vejamos o exemplo mais discreto, contudo revelador da história do cinema; no primeiro filme da série “De volta para o futuro”, quando o Deloream é apresentado para o protagonista, Martin, o “Doc.” utiliza alguns exemplos de possibilidades para viajar no tempo, dentre eles, voltar ao dia de nascimento de Jesus. Ele digita Dec/25/0000. O problema maior não é o 25 de dezembro, que é altamente discutido e rechaçado como data de nascimento de Jesus. No entanto o 0000 é o ponto. O leitmotiv do erro conceitual do calendário gregoriano. Mas está lá, num dos filmes mais célebres dos anos 80.

Anno 0 - Back to the future

Mas o que de fato implica esta crença? Bem, pelo menos no calendário gregoriano, dificultaria uma certa compreensão no número de séculos. Teríamos 2 séculos extras na nossa contagem.

Imagine que se há o ano 0, isso significa que há também o ano -0, ou Zero antes de Cristo. O que impossibilita o ano 0 é a existência da contagem espelhada, ou seja, à partir de um marco, a contagem de anos antes e depois de Cristo, ou Anno Domini.

gráfico ac-dc

A partir destes dois gráficos podemos observar a impossibilidade da existência do ano 0. A menos que se trate de uma bolha entre os séculos I a.C. e I d.C. O que seria uma ruptura do conceito de contagem de anos do calendário gregoriano. Por isso cada século começa no ano 1 até o ano x00. E é ainda por essa mesma lógica que a década começa também em 1 até x0, ou seja, a década de 90 foi de 1991 até 2000. Se quiser englobar o ano 90, o termo a ser usado é “anos 90”, que englobaria de 1990 até 1999. Assim, Cristo, para a cristandade, nasce ao longo do primeiro ano de nossa Era. Existem calendários que adotam o 0, mas nenhum deles é espelhado. Na astronomia também há adoção do 0, contudo ela também não trabalha com o conceito “antes” e “depois” de Cristo.


15 de novembro de 2013

REPUBLICA (15-11-2013)


31 de outubro de 2013

relativismo013 copy


7 de setembro de 2013

(2013-09-07) o grito


9 de agosto de 2013

craniometria (08-2013) copy


25 de julho de 2013

DITADURA 1 (25-07-2013)


2 de junho de 2013

Tira 7, 96 dpi


%d blogueiros gostam disto: